“Já faturei R$ 15 milhões”, diz Gil do Vigor seis meses após o fim do BBB

Como o economista aproveitou a participação no programa de TV para se tornar uma marca poderosa para a publicidade.

  Reprodução Big Brother Brasil / gshow

“Já faturei R$ 15 milhões”, diz Gil do Vigor seis meses após o fim do BBB

O economista Gil do Vigor, de 30 anos, foi contratado por mais de vinte marcas para peças publicitárias
Gil do Vigor, ou Gilberto José Nogueira Junior, prova que a melhor estratégia para um participante do programa Big Brother Brasil, da Rede Globo, é criar uma marca forte e positiva no imaginário do público. Seis meses após o fim da edição deste ano, Gil revela orgulhoso: “já faturei R$ 15 milhões”. Isso aconteceu sem que ele tivesse saído vencedor do programa, já que ficou em quarto lugar, atrás da ganhadora Juliette Freire (premiada com R$ 1,5 milhão), da segunda colocada Camila de Lucas e do cantor Fiuk.

O dinheiro de Gil veio dos diversos contratos publicitários que fechou. Segundo ele, Santander foi o mais rentável: o banco teria pago R$ 2 milhões para o ex-BBB aparecer em suas campanhas. Até agora, o economista de 30 anos foi contratado por mais de vinte marcas, como Vigor, iFood e Bis/Lacta, e emplacou um quadro no programa de Ana Maria Braga, em que fala de finanças.

LEIA TAMBÉM: “Big Brother Brasil”: fizemos as contas para transformar R$ 1,5 milhão em um patrimônio bilionário

Formado pela UFPE (Universidade Federal de Pernambuco), com mestrado pela mesma instituição, Gil soube aproveitar a oportunidade de participar de um dos programas de maior sucesso da televisão brasileira nos últimos 20 anos. Continua a investir no seu lado espontâneo e divertido, com postagens cheias de bordões nas redes sociais, e faz participações em outros programas na TV, como o “Vai que Cola”.

A colega de BBB Sarah Andrade lançou a possibilidade de que ele teria faturado até mais que a vencedora Juliette. Gil diz achar difícil, “já que ela partiu de R$ 1,5 milhão”. “Eu fiz Motorola, ela fez Samsung; eu fiz Santander, ela fez Itaú; eu fiz Casas Bahia, ela fez Americanas. Até brinquei com ela, falei ‘amiga, a gente está só nos concorrentes’. Somos muito amigos, de fato, mas o peso e o valor da publicidade da Juliette estão atrelados com o grau de engajamento que ela tem. Eu também tenho, graças a Deus, mas você vê que o engajamento dela está diretamente relacionado com o número de seguidores. É um fenômeno. De verdade, não sei de valores, mas acredito que a Ju faturou muito mais do que eu.”

Gil tem 14,6 milhões seguidores no Instagram, contra 32,6 milhões de Juliette. Mas, mesmo que a amiga ganhe mais, Gil segue conquistando fama. Uma participação recente dele na première do filme “Eternals”, da Marvel, mostra que a Disney acertou ao convidá-lo. Ele apareceu em uma imagem de TV estrangeira e virou comentário internacional. “É uma honra ter convites como esse. Recebi convite também para participar do BrazilFoundation. Não vou poder agora por causa das provas, mas (eles) já deixaram claro que no próximo ano estou convidado novamente. É uma honra ser convidado para conhecer a Bolsa de Valores de Nova York. Estou vivendo de fato um conto de fadas.”

O Gil do Vigor “artista” fica sério, e vira o Gilberto Nogueira, quando fala de sua carreira em economia. Ele, que agora faz doutorado na área na UCDAVIS (Universidade da Califórnia, Davis campus) – de onde concedeu a entrevista -, diz se considerar um pesquisador acadêmico de sucesso, mas conta que faltaram oportunidades na área profissional no Brasil. “Fiz entrevista para trabalhar no Banco do Brasil e fui rejeitado. Queria ser estagiário e não me quiseram. Tentei vagas em consultorias, até de professores meus, e nunca fui selecionado. Na entrevista, normalmente as pessoas procuravam pessoas mais sérias. Você sabe o meu perfil. Eu sou doido, brinco, sou muito regozijado, muito da cachorrada.”

Hoje comemora o reconhecimento dentro e fora do país. Recentemente foi eleito uma das 100 personalidades afrodescendentes mais influentes do mundo na categoria Mídia e Cultura pela iniciativa internacional da sociedade civil Mipad (Most Influential People of African Descent), que tem apoio da ONU. Fazem parte da lista outros nomes brasileiros, como os atores Lázaro Ramos e Taís Araújo e o criador da ONG Gerando Falcões Edu Lyra.

“Muita coisa mudou de um rapaz que não tinha oportunidade para um rapaz, hoje, que tem a sua voz ouvida e consegue utilizar as ferramentas que possui para atingir as pessoas e ajudar ou pelo menos influenciar de alguma forma para que o Brasil possa melhorar um pouquinho.”

VEJA MAIS: Muito além do R$ 1,5 milhão: 11 participantes que fizeram muito dinheiro sem ter vencido o BBB

Para o futuro, trabalha em duas frentes. Quer continuar investindo nas participações na TV e no mercado de influenciador digital, mas também faz planos para a carreira de economista. Conta que mantém o sonho de ser presidente do Banco Central – algo de que fala desde que saiu do BBB – ou trabalhar em um ministério. “A vida mudou, o Gil mudou, mas ainda assim preciso lembrar do que sou feito. Sou feito de educação, das minhas perspectivas, dos meus sonhos.”

As dificuldades financeiras por falta de emprego ficaram no passado. Gil conseguiu comprar duas casas para a mãe e uma para cada uma das duas irmãs. Diz investir o restante do dinheiro com ajuda de profissionais do Santander. Com perfil conservador, “avesso ao risco, que é o termo mais usado pelos economistas”, por enquanto prefere CDBs, fundos e alguns aportes mais arriscados. “Agora estou estudando, tirando um pouco do meu tempo para analisar as opções de investimento na Bolsa para começar e entrar com tudo, entrar certeiro, mas para isso preciso fazer mil cenários, mil possibilidades, até começar.”

O lado empreendedor aparece na busca pela concretização de suas ideias. “Acho que empreendedora é aquela pessoa que consegue inovar, ter ideias e colocar as coisas para a frente. Eu tenho a habilidade de ter ideias e colocar essas ideias para funcionar. Durante muito tempo não tive oportunidade nem recursos financeiros, acesso a crédito ou tempo para colocar as minhas ideias em prática. Agora, com um pouco mais de recurso financeiro, um pouco mais de acesso, vou conseguir mostrar para o Brasil que o Gil do Vigor empreendedor está aqui”, diz.

 

@mamsampaio

Para o futuro, Gil quer continuar investindo na TV e no mercado de influenciador digital, mas também faz planos para a área econômica
Para ele, os principais momentos da trajetória que o levaram à busca pelo sucesso profissional foram os aprendizados que teve na igreja e as orientações da mãe. “Ela dizia: ‘meu filho, consiga chegar a um nível de vida que precise apenas de você, não dependa dos outros’. Não no sentido arrogante, acho que na vida a gente precisa das outras pessoas, mas em termos de profissão, quando você não tem a sua autossuficiência, nunca vai ter aquela liberdade de fazer aquilo que ama, que quer, da forma como ama e como quer. Isso é muito importante”.

Em suas redes sociais, Gil do Vigor não esconde que sofreu um baque ao chegar aos Estados Unidos e se defrontar com tantas mudanças. “Não vou dizer que é fácil. Tem hora que quero ir embora para a minha casa. Digo: ‘que é que estou fazendo aqui neste local totalmente diferente de onde eu vim, do que eu amo fazer?’ É uma cultura diferente, um povo diferente, as pessoas não são como eu imaginava. As aulas não são como eu imaginava. Meus professores da UFPE são muito melhores. Tive professores melhores, minha qualificação é muito melhor. Digo isso sem medo nenhum.”

Mesmo assim, segue dedicado aos estudos e se prepara para as primeiras provas do curso. “Eu quis estudar aqui na Califórnia, em Davis, que é uma das melhores do mundo. Consigo compreender que a sua formação depende muito mais de você do que do meio em que você está inserido. Aqui eu tenho muitos contatos obviamente. Recebo e-mails de propostas para trabalhar como analista sênior em empresas que pagam bons salários.”

Uma das propostas, segundo ele, era para ganhar US$ 200 mil (R$ 1,1 milhão) por ano. “Você começa a ver que as oportunidades se abrem não só na mídia ou no mundo da influência digital, mas na carreira como economista, que eu estou construindo”, explica.

Em meio aos estudos e às provas, o economista se mostra empolgado para as rápidas férias de fim de ano no Brasil, em que tem vários compromissos profissionais marcados. “Chego ao Brasil em 10 de dezembro e já tem o que fazer nos dias 10, 11 e 12”, adianta. Até lá, separa o período da manhã dos sábados para trabalhar nas peças publicitárias.

“Estou muito grato por todo acesso à publicidade que tive, de alguma forma eternizado, porque uma coisa que eu queria muito era que as pessoas lembrassem de mim. Então, tem Gil do Vigor em tudo quanto é lugar. Mesmo que parem de falar, me esqueçam, daqui a dez ou vinte anos vou poder falar para a minha descendência: ‘olha, gente, está aqui na internet’. Vai estar sempre registrado, vou ter um legado para mostrar.”

enquete bbb votar bbb


Vote na décima primeira 11ª Roça de A Fazenda 13
Dayane, Marina, Rico ou Solange? Quem você quer que fique em A Fazenda?


Vote Agora!

Comentários

Mais Novidades


Participantes

Camilla de Lucas

Camarote - Influenciadora, 26 anos e natural de Nova Iguaçu - RJ

Fiuk

Camarote - Ator e cantor, 30 anos e natural de São Paulo - SP

Gilberto

Pipoca - Doutorando em economia, 29 anos e natural de Jabotão - PE

Juliette

Pipoca - Advogada e maquiadora, 31 anos e natural de Campina Grande - PB



Fique por dentro das novidades